[sobre a prova da OAB]

Depois de ler todos os cometários, analisar as opiniões defendidas e a linha de raciocínio dos comentaristas, cheguei a duas conclusões:

1) Sou totalmente a favor da prova;

2) A educação brasileira (no que pode, infelizmente, ser verificado através da redação da grande maioria da população) está na lama.

Anúncios

4 Respostas para “[sobre a prova da OAB]

  1. Pra que prova? Quem estudou direito já deu provas que não possui uma lógica racional. O ideal é não completar nenhum curso. Evadir-se da Faculdade ainda no primeiro período e nunca mais voltar. Vagar Brasil a dentro, comprar um taxo, um mini botijão de gás e fritar e vender bolinhos de carne moida na porta de um centro de reabilitação de drogados.

  2. pra que acabar com a prova?
    quem não deve não teme e quem estudou direito direito não tem por que temer.

  3. Respeito a sua opinião, porém vejo que cabe ao MEC inspecionar os cursos e dar qualidade a estes. Imagine que uma turma na primeira série do ensino fundamental, não conseguisse se alfabetizar. De quem seria a responsabilidade? Da instituição e do Conselho de Educação que inspeciona as escolas, da direção e do professor. Voltando ao direito, o aluno faz um curso de 5 anos, paga e depois de formado, vai para o mercado informal, pela restrição de uma prova, que “escolhe os que já estão em escritório de advocacia, ou estão nesta área de atuaçâo. Muito injusto! Mas este é o Brasil que seleciona, discrimina, e veda oprtunidades!

  4. Helinho de Carvalho

    A questão ora discutida, exame de ordem. não deve merecer confiabilidade. observe a lógica da coisa: a ciência ja provou que pessoas que trabalham em serviços de extrema atenção, devem trabalhar no máximo quatro horas por dia, caso isso ocorra vc terá fadiga mental.
    Observe que o exame da OAB, pega direto nesse ponto cansaço mental, observe ele é composto de 100 questões de conteúdo enorme e em geral as perguntas são rebuscadas, com duração de 5 horas(tempo muito curto diga-se de passagem).
    Na verdade o que se busca no exame é provocar o cansaço mental, objetivando a perda de raciocinio, provocando assim a reprovação.

    Deixo perguntas, o juiz julga sem se utilizar de livros e códigos?
    resp. não pois o universo de informações é enorme.
    O juiz dá sentença no mesmo dia? resp. não ele precisa estudar o caso com calma para da a melhor decisão.
    O adv. faz defesa ou ação sem consultar códigos e doutrinas?
    Quem classifica o profissional é o mercado ou a escola?
    Em outras outras profissões, em o universo de informções é bem menor.
    No caso do exame de ordem o que se busca na verdade é o impedimento e acesso a profissão pois o excesso de profissionais atrapalha a grandes grupos de operadores do direito, como também gera arrecadação. Se o exame fosse para testar conhecimento, não seria tão extenso e desgastante, teria no máximo 50 perguntas. E por outro lado, os aprovados na primeira fase jamais deveriam fazer nova prova de 1ª fase quando reprovados na 2ª fase.
    O que se vê de concreto em torno do exame, é muita gente ganhando dinheiro, com cursinhos, livros etc…
    Não esperem pelo fim do exame, sejam realistas nós moramos no Brasil, aqui o voto é obrigatório, é eletrônico, o presidente não sabe de nada, o técnico da seleção na copa nunca havia sido técnico de futebol na vida, a provável presidente da república nem veradora ja foi. Em nosso país o capitalismo da as regras desde dom juaão prim-prim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s